terça-feira, 19 de março de 2013

A inundação de tragédias anunciadas







LADO B: "cena clássica" de enchente, com mortes e destruição material devidas às chuvas "acima do esperado". Imagem que parece se repetir à exaustão.  


“A inundação tinha coberto as margens do rio até onde a vista podia alcançar; as grandes massas de água, que o temporal durante uma noite inteira vertera sobre as cabeceiras dos confluentes do Paraíba, desceram das serranias, e, de torrente em torrente, haviam formado essa tromba gigantesca que se abatera sobre a várzea... A inundação crescia sempre; o leito do rio elevava-se gradualmente; as árvores pequenas desapareciam; e a folhagem dos soberbos jacarandás sobrenadava já como grandes moitas de arbustos”. José de Alencar. O Guarani. (1857).

“...muitos têm tido e têm a opinião de que as coisas do mundo são governadas pela fortuna e por Deus, de sorte que a prudência dos homens não pode corrigi-las, e mesmo não lhes traz remédio algum. Por isso, poder-se-ia julgar que não deve alguém incomodar-se muito com elas, mas deixar-se governar pela sorte... penso poder ser verdade que a fortuna seja árbitra de metade de nossas ações, mas que, ainda assim, ela nos deixe governar quase a outra metade. Comparo-a a um desses rios impetuosos que, quando se encolerizam, alagam as planícies, destroem as árvores, os edifícios, arrastam os montes de terra de um lugar para o outro: tudo foge diante dele, tudo cede ao seu ímpeto, sem poder obstar-lhe e, se bem que as coisas se passem assim, não é menos verdade que os homens, quando volta a calma, podem fazer reparos e barragens, de modo que, em outra cheia, aqueles rios correrão por um canal e o seu ímpeto não será tão livre nem tão danoso”. Nicolau Maquiavel”. O Príncipe. (1532).


                Lá pela 7ª série, a Professora de Português do Pio X havia nos indicado a leitura de O Guarani, de José de Alencar. Não posso negar que, à época, com uns 13 anos, achei a obra chata, impressão que acabou se desfazendo com uma leitura posterior e mais adulta. Mesmo passado esse tempo todo desde o final dos anos 70, nunca consegui esquecer a parte final do livro, porque me parecia simplesmente inverossímil que pudesse acontecer uma enchente daquele porte, que destruía tudo ao redor de suas margens e chegava à altura da copa de grandes árvores.
                Após morar duas décadas no Estado de São Paulo, pude constatar a violência de chuvas pesadas e grandes inundações, que me lembravam que o romance de Alencar, com toda a licença literária, não havia exagerado nesse ponto. Também lembro que a música Águas de Março, composta por Tom Jobim na década de 1970, se referia a esse fenômeno recorrente de chuvas ostensivas naquela região nesse mesmo período do ano.
                A questão é que já me cansou ouvir repetidamente a tal notícia, como um disco riscado na velha vitrola com a agulha pulando: “choveu três vezes mais que o esperado para tal período...” “...dez vezes mais que o esperado...” “...duzentas vezes mais que o esperado...” e o diabo a quatro!!!. Ora bolas, desde 1857, pelo menos, parece que quase sempre costuma chover mais que o esperado e aquela região se torna um verdadeiro mar, com os conseqüentes fenômenos decorrentes: inundação, desabamentos, destruição, mortes etc.
                Resumindo: a água e os aguaceiros já estavam lá há bastante tempo – pelo menos na época das grandes chuvas, frequentemente ficam “acima do esperado” e, assim, podemos constatar que o inesperado já é mais ou menos esperado – as vítimas humanas das tragédias chegaram depois, sejam os indígenas da região, dizimados com o avanço colonial, sejam as populações posteriores. E chegaram motivados por várias situações, entre as quais não se deve descartar as menos idílicas, como a cupidez imobiliária, a exclusão social, a imprevidência das autoridades que deveriam estar preparadas para o tal “mais que o esperado”. 
                Mais uma vez, em 2013, a cena se repete ad nauseam. As televisões e jornais mostram cenas dantescas de mortes e destruição, novas providências são prometidas e, em 2014 ou 2015, provavelmente “choverá mais que o esperado”. Listagens de prováveis culpados: São Pedro? O Presidente ou o Governador de plantão? Prefeitos? Políticos em geral? Nessa barafunda, no outro extremo da Brasilândia, aguarda-se a chuva com promessas aos céus!!!
                Certamente, aqui acolá encontramos tais (ir)responsabilidades e as mesmas precisam ser apuradas e punidas com todo o rigor necessário. Mas a questão não começa nem acaba aí. Mais que isso, há uma determinada formação social que convive de forma “natural” com a imprevidência, com um certo quê de “distração”, que deixa a sociedade (ou melhor, a parte mais vulnerável da mesma) entregue à própria sorte, até que algo acontece – a “fatalidade” – e o choque da tragédia mobiliza todos, até a próxima tragédia colocar a anterior no rol do esquecimento. Nosso descaso para com as profundas diferenças sociais, o espaço público, o impacto ambiental de nossas ações, os direitos alheios e a corrupção do poder público e os agentes privados são o combustível que alimenta esse cortejo de desgraças. Quem pode pagar para tentar ficar imune às tragédias, paira ou pensa pairar sobre os demais, especialmente aqueles que são relegados às fímbrias dos direitos, a quem cabe torcer para que “Deus seja brasileiro” e rezar para vir sol e chuva na medida certa.
A essência desse problema não está nas “temíveis forças naturais”, mas numa sociedade que convive “gostosamente” com a exclusão, com os abismos sociais e a extrema concentração de riqueza. Qualquer política mais ou menos tímida que pretenda alterar “as coisas como elas são” é duramente atacada e não está realmente no horizonte um conjunto de políticas que rompa os privilégios e garanta os direitos efetivos para todos. Por isso há a conhecida diferença entre “escolas para pobres e ricos”, “saúde para pobres e ricos”, “moradia para pobres e ricos”, entre outras condições useiras e vezeiras que parecem naturais, porque “choveu mais que o previsto...”. Nessa verdadeira “cruzada” pela manutenção dos privilégios, papel não desprezível joga uma mídia quase absolutamente partidária e engajada nas estruturas de poder, controlada por restritos grupos econômicos e que desinforma informando, mostrando uma “realidade” que simultaneamente falseia. Além do mais, o lado instrumental das tragédias (com todo o festival de roubalheira e irresponsabilidade associado) é, em si, um aspecto diretamente necessário e indispensável das mesmas.     
                Como não encontrar similaridades entre essa e outras tragédias – infelizmente corriqueiras – cujas maiores vítimas são invariavelmente os mais pobres? Só para lembrar de passagem, o terrível incêndio da Vila Socó, em Cubatão (SP), no ano de 1984, quando um vazamento irresponsavelmente não resolvido num duto da Petrobrás, matou 93 pessoas, de acordo com números oficiais, mas que pode chegar à cifra de 600 vítimas, num incidente não devidamente investigado em plena ditadura. A recente tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria, não deixa de atualizar esse quadro do inesperado que é mais ou menos esperado, a depender dos azares da fortuna, que, segundo Maquiavel, governam metade de nossas vidas, mas que deixam a outra metade para nosso juízo se prevenir contra o “mais que o esperado”. Há o dado adicional nessa última de que, quando as tragédias atingem “gente bonita” (naquela simpática linguagem eugênico-popular) parece que a coisa até dói mais nos nossos órgãos cordiais.
Aqui mesmo em João Pessoa temos uma situação afortunada de tal porte na conhecida “partilha” da várzea do Jaguaribe entre tubarões e piabinhas, feita ao arrepio de qualquer regulamentação ou fiscalização pública. Mas Deus deve ser pessoense e, até que aconteça algo “inesperado”, ou seja, até que venham chuvas copiosas “acima do esperado”, tudo ficará no mesmo diapasão. No mais, em alguma eventual tragédia, a cidade sairá no noticiário nacional, o que poderá nos deixar muito orgulhosos pela projeção alcançada!!!



  



OUTRO LADO B:"cena clássica" da seca, com mortes e destruição material devidas à estiagem prolongada, com chuvas "abaixo do esperado". Imagem que parece se repetir à exaustão.  


Como reagir, por exemplo, frente à desfaçatez quase cínica de boa parte de nossas paraibanas elites, que “choram os males da seca”, enquanto promovem grandes negócios e negociatas, insensíveis às mazelas vividas pelos mais pobres? Hoje é Dia de São José, que, segundo a tradição popular, é o dia-limite para se saber se haverá ou não seca. O FATO (e uso o termo em maiúscula, para ressaltar sua efetividade) é que há muito tempo se sabe que há anos em que se chove “menos que o esperado” para o período – numa dessas irônicas inversões da fortuna entre norte e sul da nossa terra Brasilis – e as tragédias humanas parecem se repetir e acumular como um disco riscado, já devidamente detectado há tempos pela nossa célebre literatura da seca, também conhecida desde os bancos escolares. Essas tragédias também trazem seu lado instrumental e não poucas fortunas foram construídas à base de expedientes que se repetem ao tédio, como variações de um mesmo tema. Enquanto isso, as velhas e boas estruturas de poder e concentração de riquezas permanecem altaneiras sobre as vítimas do bolo que cresce há muitas gerações, mas que parece não querer ser dividido jamais. Quando chove “o esperado”, é o tempo certo de agir para evitar novas mazelas e tragédias, mas não parece que esse tipo de “previdência” (o ver adiante) esteja no horizonte, tais quais as inundações e secas, que virão “além do esperado” em algum momento que podemos esperar adiante.  

Um comentário:

Ivan Leardini disse...

É isso, este tipo de tragédias são resultados do processo de nosso atual modelo social. A lógica de ocupação dos espaços sociais funda-se na exploração econômica. As vidas que importam são aquelas com valor financeiro agregado.
Os mundos do trabalho estão tão longe de poder controlar as forças operacionais deste sistema quanto à humanidade de controlar a natureza.
A mudança, neste contexto, está fora de cogitação, seus protagonistas ainda são vítimas e estão ineptos à compreensão de sua própria situação. Movimentos revolucionários surgirão apenas pelo esgotamento do sistema, quando os fetiches diluírem-se pela razão da esterilidade do planeta. Tarde demais.
Os atuais indicadores apontam nesta direção, mas quem pode precisar direções quando tratamos de seres humanos e sobrevivência? A História nos traz elementos de otimismo, os homens são capazes de coisas extraordinárias, mas infelizmente hoje, o predomínio é das forças de acumulação de capital, do jogo do domínio e da festa do consumo, elementos que obscurecem a visão para alternativas.
Professor continue com estas luzes, elas fazem diferença.